Cachoeirinha 29 de Maio de 2017

Geral

Capitão infiltrado em ato contra Temer agora é major

Willian Pina Botelho ganhou novo posto três meses após vir à tona sua atuação encoberta

Capitão infiltrado em ato contra Temer agora é major do Exército

Willian Pina Botelho ganhou novo posto três meses após vir à tona sua atuação encoberta em São Paulo

Três meses após ser revelado que o capitão do Exército Willian Pinta Botelho estava infiltrado em um grupo de manifestantes detidos ilegalmente em São Paulo, o oficial foi promovido a major. A oficialização ocorreu via Diário Oficial do dia 16 de dezembro, passando a valer a partir o dia 25 de dezembro, "por merecimento", como diz o texto da publicação. 

No dia 04 de setembro, Botelho, que então se apresentava como Balta Nunes, estava com um grupo de manifestantes que foram detidos pela Polícia Militar antes de um protesto pelo fora Temer em São Paulo. Embora apareça entre o grupo, Botelho foi o único a não ser levado à delegacia. A infiltração do capitão foi revelada por este jornal e pela Ponte Jornalismo naquela semana, o que fez com que fossem abertas investigações do caso pelo Ministério Público Estadual e o Ministério Público Federal.

Pressionado, o Exército abriu sua própria sindicância para apurar a atuação do então capitão. Em março deste ano, portanto depois que Botelho já havia sido promovido, o Exército afirmou ter concluído a sindicância. De acordo com as conclusões da corporação, o capitão estava, de fato, em "atividade de observação de inteligência" naquele dia, mas, “não há registro” de que aquela atividade foi realizada em conjunto com a Polícia Militar. O Exército também nega a participação do capitão nas detenções dos manifestantes, "sendo esta de exclusiva decisão da Polícia Militar do Estado de São Paulo".

No documento, a corporação contradiz a versão apresentada pelo comandante-geral do Exército, Eduardo da Costa Villas Bôas, que disse, em outubro, que a atuação de Botelho foi realizada junto à Polícia Militar. "Houve, houve, houve uma absoluta interação com o Governo do Estado", disse Villas Bôas, enquanto a Secretaria de Segurança Pública de São Paulo negou a ação em conjunto.

Organização criminosa

No dia seguinte em que os manifestantes foram detidos, o juiz mandou soltá-los, considerando a detenção "ilegal". Naquela semana, Botelho, que ainda se apresentava como Balta Nunes, disse aos amigos que não foi detido porque apresentara um documento falso à Polícia. Em momento algum ele se identifica como oficial do Exército ou declara sua verdadeira identidade.

 

Exército afirmou ter concluído a sindicância. De acordo com as conclusões da corporação, o capitão estava, de fato, em "atividade de observação de inteligência" naquele dia, mas, “não há registro” de que aquela atividade foi realizada em conjunto com a Polícia Militar. O Exército também nega a participação do capitão nas detenções dos manifestantes, "sendo esta de exclusiva decisão da Polícia Militar do Estado de São Paulo".

No documento, a corporação contradiz a versão apresentada pelo comandante-geral do Exército, Eduardo da Costa Villas Bôas, que disse, em outubro, que a atuação de Botelho foi realizada junto à Polícia Militar. "Houve, houve, houve uma absoluta interação com o Governo do Estado", disse Villas Bôas, enquanto a Secretaria de Segurança Pública de São Paulo negou a ação em conjunto.

Trecho do Diário Oficial do dia 16.12.2016, com a promoção de Botelho.Trecho do Diário Oficial do dia 16.12.2016, com a promoção de Botelho.

Organização criminosa

No dia seguinte em que os manifestantes foram detidos, o juiz mandou soltá-los, considerando a detenção "ilegal". Naquela semana, Botelho, que ainda se apresentava como Balta Nunes, disse aos amigos que não foi detido porque apresentara um documento falso à Polícia. Em momento algum ele se identifica como oficial do Exército ou declara sua verdadeira identidade.

A ação policial levantou suspeitas de que fora realizado um flagrante forjado, já que o grupo não portava substâncias ilícitas, apenas levava equipamentos de segurança, como capacetes, e de primeiros socorros.Sobre isso, o Exército não se pronuncia. Também não menciona na sindicância a suposta falsidade ideológica do oficial.

A promoção de Botelho ocorreu um dia depois que o Ministério Público de São Paulo ofereceu uma denúncia contra o grupo de manifestantes, acusando-os de organização criminosa. No documento com data do dia 15 de dezembro, os jovens são acusados de “prática de danos e danos qualificados consistentes na destruição, inutilização e deterioração do patrimônio público e privado e lesões corporais em policiais militares”.




Data de publicação: 05/05/2017 - 19:43:26

Postar comentário

Serão rejeitadas mensagens que desrespeitem a lei, apresentem linguagem ou material obsceno ou ofensivo, sejam de origem duvidosa, tenham finalidade comercial ou não se enquadrem no contexto do site. A responsabilidade pelos comentários é exclusiva dos respectivos autores. Os leitores e usuários desse site encontram-se sujeitos às condições de uso do Clic Tribuna e se comprometem a respeitá-las.






Nome:

E-mail:

Mensagem:

Imprimir Indique a um amigo
Seu Nome

Seu Email

Email do Amigo
 
Comentários

Redes sociais

Publicidade Flores da Cunha AO VIVO PublicidadePublicidade Publicidade Publicidade Publicidade Publicidade Publicidade Publicidade
Nossos produtos

Portal Clictribuna
Guia Comercial
Jornal Tribuna - Digital




Política de  Privacidade

Termos de Uso do Site
Atendimento

contato@clictribuna.com.br
Cachoeirinha
Rio Grande do Sul

(51)  9677.1086