Cachoeirinha 29 de Abril de 2017

Geral

Servidores do Judiciário e sindicalistas fazem atos.

Servidores do Judiciário fizeram hoje (18) manifestações em frente ao Congresso Nacional.

Servidores do Judiciário fizeram hoje (18) manifestações em frente ao Congresso Nacional.

Brasília - 19/08/2015

Servidores do Judiciário fizeram hoje (18) manifestações em frente ao Congresso Nacional pela derrubada do veto ao projeto que reajusta os salários da categoria. Eles se juntaram, no mesmo local, aos trabalhadores ligados à Força Sindical que pediam a aprovação do projeto que corrige o Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS).

Contrários ao veto da presidenta Dilma Rousseff ao projeto de lei que reajusta os salários dos servidores do Poder Judiciário em até 78,56%, os trabalhadores do Judiciário ocuparam o espelho d'água em frente ao Congresso Nacional, pedindo a derrubada do veto.

Na quinta-feira passada (13), os servidores do Judiciário rejeitaram uma proposta do Supremo Tribunal Federal (STF), enviada ao Palácio do Planalto, que propunha reajustar os salários em 41,47% e decidiram manter o pedido de derrubada do veto. Um dia antes, o presidente do STF, Ricardo Lewandowski disse que enviará a proposta ao Congresso Nacional. Mas, os trabalhadores querem que o veto seja apreciado amanhã, quando está marcada uma sessão deliberativa do Congresso Nacional para apreciar vetos presidenciais.

Ao vetar a proposta, a presidenta justificou que a aprovação do projeto seria inconstitucional e contrária ao interesse público. “Sua aprovação [do projeto] geraria impacto financeiro de R$ 25,7 bilhões para os próximos quatro anos, ao fim dos quais passaria dos R$ 10 bilhões por exercício. Um impacto dessa magnitude é contrário aos esforços necessários para o equilíbrio fiscal na gestão de recursos públicos”, argumentou Dilma, ao justificar o veto.

FGTS

Já os trabalhadores ligados à central Força Sindical pediram a aprovação do projeto de Lei 1.358/15 que corrige o FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço). Pela proposta, a remuneração do fundo, a partir de 1º de janeiro de 2016, terá as mesmas taxas da caderneta de poupança, em torno de 6% ao ano. Atualmente, a correção é feita com base na Taxa Referencial (TR), mais juros de 3% ao ano.

A votação do projeto, prevista para essa terça-feira, na Câmara dos Deputados, ainda depende de acordo entre o governo e o relator da matéria, deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ).

O governo argumenta que o reajuste vai aumentar os juros do financiamento da casa própria – que usa os recursos do FGTS – e pode comprometer inclusive o Programa Minha Casa, Minha Vida, e propõe um escalonamento.




Data de publicação: 19/08/2015 - 01:26:46

Postar comentário

Serão rejeitadas mensagens que desrespeitem a lei, apresentem linguagem ou material obsceno ou ofensivo, sejam de origem duvidosa, tenham finalidade comercial ou não se enquadrem no contexto do site. A responsabilidade pelos comentários é exclusiva dos respectivos autores. Os leitores e usuários desse site encontram-se sujeitos às condições de uso do Clic Tribuna e se comprometem a respeitá-las.






Nome:

E-mail:

Mensagem:

Imprimir Indique a um amigo
Seu Nome

Seu Email

Email do Amigo
 
Comentários

Redes sociais

Publicidade Flores da Cunha AO VIVO PublicidadeWCI mais novoPublicidade Publicidade Publicidade Publicidade Publicidade Publicidade
Nossos produtos

Portal Clictribuna
Guia Comercial
Jornal Tribuna - Digital




Política de  Privacidade

Termos de Uso do Site
Atendimento

contato@clictribuna.com.br
Cachoeirinha
Rio Grande do Sul

(51)  9677.1086