Cachoeirinha 28 de Junho de 2017

Cachoeirinha

Servidores do RS numa união inédita paralisam o estado

Foram 43 categorias organizadas, e que definiram paralisação inédita no estado.

Foram 43 categorias organizadas, e que definiram paralisação inédita no estado.

Paralisação em todo o estado do Rio Grande é fato inédito na história do RS.

“Aqui no Rio Grande do Sul, ninguém vai bater nos professores como aconteceu no Paraná. Ninguém vai encostar um dedo em um professor. Não permitiremos. Bater em professor é como bater na própria mãe”. A fala de Isaac Ortiz, presidente do Sindicato dos Escrivães, Inspetores e Investigadores de Polícia do Rio Grande do Sul (Ugeirm), durante a assembleia geral do funcionalismo público estadual, no Largo Glênio Peres, sintetizou a unidade inédita do movimento dos servidores contra as políticas do governo José Ivo Sartori (PMDB). Mais de 43 entidades de servidores participaram da organização do ato desta terça-feira que decretou greve geral de três dias de todo funcionalismo público. Todas as categorias de servidores do Estado estiveram representadas na mobilização que iniciou pela manhã e terminou no final da tarde com um ato em frente ao Palácio Piratini.

Perguntado sobre a dimensão da manifestação desta terça, Claudio Augustin, presidente do Sindicato dos Servidores Públicos do Estado do RS (Sindsepe), lembrou uma caminhada ocorrida durante a greve do magistério no governo de Pedro Simon, em 1987. “Ela saiu do colégio Júlio de Castilhos e quando chegamos ao viaduto da Duque, ainda tinha saindo do Julinho”. Em comum com aquela caminhada de 1987, o mesmo partido no governo, o PMDB, e a presença de milhares de servidores nas ruas caminhando em direção ao Palácio Piratini.

A diferença entre o que ocorreu hoje (18) e a manifestação de 1987, assinalou Augustin, é a presença maciça de policiais civis e militares lado a lado com professores e outras categorias de servidores. Essa aliança, acrescentou o dirigente do Sindsepe, dá maior consistência política ao movimento que deve se preparar para uma luta de longo prazo contra um governo que pretende implementar políticas de diminuição do tamanho do Estado e arrocho salarial. “Esse é um dia histórico no Rio Grande do Sul. Os servidores públicos, de forma unificada, estão dizendo basta aos desmandos do governador Sartori que, desde que assumiu, só criou terror”, disse ainda o presidente do Sindsepe.

Encerrada a assembleia no Glênio Peres, os servidores seguiram em caminhada para a Praça da Matriz, onde realizaram uma nova manifestação em frente ao Palácio Piratini. (Foto: Guilherme Santos/Sul21)

Encerrada a assembleia no Glênio Peres, os servidores seguiram em caminhada para a Praça da Matriz, onde realizaram uma nova manifestação em frente ao Palácio Piratini. (Foto: Guilherme Santos/Sul21)

“O senhor usurpou o nome do nosso Estado na campanha eleitoral”

“Estamos mostrando hoje com quem o governador José Ivo Sartori se meteu. O senhor usurpou o nome do nosso Estado para fazer sua campanha eleitoral, escondendo que queria privatizar o Estado e arrochar os servidores”, disse, em cima de um caminhão de som instalado no Largo Glênio Peres, a presidente do Centro de Professores do Estado do RS (CPERS Sindicato), Helenir Schürer. “Não vamos nos curvar para essas políticas. Estamos deflagrando hoje greve até a vitória”, acrescentou a dirigente do CPERS. A entidade deu uma demonstração de força nesta terça, ao lotar o Gigantinho no início da manhã, em uma assembleia que aprovou a greve de três dias e a luta unificada com as demais categorias do funcionalismo.

O caráter histórico dessa unidade foi destacado por vários oradores na assembleia realizada no Largo Glênio Peres. “Essa união que estamos vendo aqui hoje faz lembrar o comício das diretas”, afirmou Sérgio Arnoud, presidente da Federação Sindical dos Servidores Públicos do Estado do RS (Fessergs). “Estamos deixando muito claro aqui que não vamos permitir o apequenamento do Estado, o arrocho e o parcelamento de salários. Nossa unidade é nossa força”, destacou Arnaud. Na mesma direção, Mara Feltes, do Sindicato dos Empregados em Empresas de Assessoramento, Perícias, Informações e Pesquisas e de Fundações Estaduais do RS (Semapi), condenou o ataque que o governo Sartori está promovendo contra fundações do Estado. “O senhor não é o Rio Grande. O Rio Grande não maltrata o serviço público. Hoje é um dia histórico que mostra que não vãos deixar que esse governo extinga as fundações , privatize a água e outros serviços do Estado”, disse Feltes.

“Esse movimento é toda a sociedade gaúcha que está junto com nós na defesa por serviços públicos de qualidade. Se o governador Sartori não tem competência para governar, ele que pegue o chapéu e volte para Caxias”, emendou Flávio Berneira Jr., diretor do Sindicato dos Servidores Penitenciários do Estado (Amapergs Sindicato).

Após negociação com o comando da Brigada Militar, que guardava a entrada lateral da Assembleia, um grupo de servidores entrou no Parlamento e se dirigiu para as galerias do plenário. (Foto: Guilherme Santos/Sul21)

Após negociação com o comando da Brigada Militar, que guardava a entrada lateral da Assembleia, um grupo de servidores entrou no Parlamento e se dirigiu para as galerias do plenário. (Foto: Guilherme Santos/Sul21)

Os efeitos do acordo da dívida de 1998

O Centro de Auditores Públicos Externos do Tribunal de Contas do Estado (Ceape), divulgou a “Cartilha da Dívida Pública do RS 2015”, durante a assembleia no Glênio Peres. O documento aponta os efeitos negativos do acordo da dívida firmado em 1998, durante o governo Antônio Britto (PMDB), que federalizou a dívida do Estado em um ambiente de inflação galopante e juros estratosféricos. Esse contrato, avalia o Ceape, foi altamente prejudicial para o Estado. “O resultado da renegociação da dívida estadual foi uma brutal redução da capacidade de investimento público do Rio Grande do Sul”, diz a cartilha. O Ceape defende a realização de uma auditoria cidadã desta dívida, “para identificar e afastar o que não é devido e destinar os recursos de impostos para atender as necessidades do povo”.

Encerrada a assembleia no Glênio Peres, os servidores seguiram em caminhada para a Praça da Matriz, onde realizaram uma nova manifestação em frente ao Palácio Piratini. Após negociação com o comando da Brigada Militar, que guardava a entrada lateral da Assembleia, um grupo de servidores entrou no Parlamento e se dirigiu para as galerias do plenário. O vice-presidente da Assembleia, deputado Ronaldo Santini (PTB), recebeu representantes do Movimento Unificado de Servidores Públicos, que comunicaram a decisão de decretar a greve geral de todo o funcionalismo nos dias 19, 20 e 21 de agosto. Os servidores entregaram um documento a Santini condenando a política de apequenamento do Estado do governo Sartori.

A resposta de Sartori: corte do ponto

A resposta do governo estadual veio no início da noite com uma declaração do governador José Ivo Sartori. Anunciada como uma fala à imprensa, a manifestação de Sartori limitou-se a uma declaração de três minutos, sem direito a perguntas para os jornalistas. Sartori anunciou que o ponto de quem fizer greve será cortado e voltou a pedir compreensão ao funcionalismo público. O chefe do Executivo apelou aos servidores para que não paralisem as atividades, argumentando que a crise não começou agora. Além disso, afirmou que está fazendo um “grande esforço” para pagar o funcionalismo em dia, mas não garantiu que isso ocorrerá no final deste mês, admitindo a possibilidade de um novo parcelamento.

Veja mais imagens da manifestação desta terça-feira:

Foto: Guilherme Santos/Sul21

Foto: Guilherme Santos/Sul21

Foto: Guilherme Santos/Sul21

Foto: Guilherme Santos/Sul21

Foto: Guilherme Santos/Sul21

Foto: Guilherme Santos/Sul21

Foto: Guilherme Santos/Sul21

Foto: Guilherme Santos/Sul21

Foto: Guilherme Santos/Sul21

Foto: Guilherme Santos/Sul21

Confira o registro em vídeo:




Data de publicação: 19/08/2015 - 00:48:50

Postar comentário

Serão rejeitadas mensagens que desrespeitem a lei, apresentem linguagem ou material obsceno ou ofensivo, sejam de origem duvidosa, tenham finalidade comercial ou não se enquadrem no contexto do site. A responsabilidade pelos comentários é exclusiva dos respectivos autores. Os leitores e usuários desse site encontram-se sujeitos às condições de uso do Clic Tribuna e se comprometem a respeitá-las.






Nome:

E-mail:

Mensagem:

Imprimir Indique a um amigo
Seu Nome

Seu Email

Email do Amigo
 
Comentários

Redes sociais

Publicidade Flores da Cunha AO VIVO PublicidadePublicidade Publicidade Publicidade Publicidade Publicidade Publicidade Publicidade
Nossos produtos

Portal Clictribuna
Guia Comercial
Jornal Tribuna - Digital




Política de  Privacidade

Termos de Uso do Site
Atendimento

contato@clictribuna.com.br
Cachoeirinha
Rio Grande do Sul

(51)  9677.1086